Cada vez mais me capacito que a eficácia dos medicamentos é uma farsa protagonizada pela industria farmacêutica

Já são várias as razões para que reforce esta minha convicção e a juntar-lhes aqui vai mais uma. Faz hoje precisamente 15 dias que comecei com dor aguda na perna esquerda. A consulta a várias enciclopédias médicas que possuo e a muitos livros que abordam as medicinas alternativas há convencional, pareceu-me estar perante uma crise ciática. Contactei telefonicamente com um fisioterapeuta que paralelamente também exerce actividade no âmbito da fitoterapia, que me fez duas sessões de mesotarepia, uma das técnicas aliás, aconselhadas por vários livros de medicina alternativa. Entretanto na mesma altura que contactei o fisioterapeuta, marquei uma consulta para o cirurgião ortopedista que ocorreu na passada 2ª.feira. Quer o fisioterapeuta quer o ortopedista, foram de opinião unânime de se tratar duma ciática, tendo este especialista além de me requisitar exames para a sua confirmação, passado uma receita com três medicamentos com a recomendação em relação a um deles de que só deveria tomar apenas um por dia e se as dores o justificassem, alerta que me pôs de pé atrás. Como tinha no meu domicílio o medicamento destinado à inflamação do nervo ciático, não adquiri os restantes porque, como quem me visita sabe muito bem eu sou um completo descrente na eficácia dos medicamentos, mas não duvido dos seus efeitos secundários. Comecei a tomar o Relmus o anti-inflamatório receitado e de acordo com a respectiva prescrição médica. Ao 2º. dia da toma deste medicamento sou confrontado com uma forte diarreia o que me fez de imediato ler o folheto e como não poderia deixar de acontecer uma das possíveis reacções previstas pelo laboratório fabricante é poder exactamente ser o agente causador de perturbação intestinal, vulgo (diarreia), aconselhando a redução da toma do medicamento. Obviamente que de imediato parei pura e simplesmente com a toma do Relmus passando a usar o Imodium para tratar a diarreia. Também não obtive grande sucesso com este medicamento dado que um dia depois da mesma ocorrer a toma do medicamento não a tinha parado. Passei então a utilizar o Ultra-Levure que embora tenha atenuado a diarreia provocada pelo Relmus, não a debelou de todo. Entretanto e porque as dores eram bastante agudas, ía recorrendo ao Ben-U-ron 1000 para conseguir a sua atenuação. Embora também o objectivo não fosse conseguido, acabei por, com isso acentuar de novo a intensificação da diarreia. Foi então que acabei por recorrer o método caseiro para debelar a diarreia, bebi um copo de água com uma colher de sopa de farinha, nele diluído e a diarreia parou. Leitura do folheto do medicamento e lá está assinalado que, foram detectados alguns casos de perturbação intestinal, nas respectivas contra-indicações. Sem outra alternativa que não seja a de evitar aumentar o meu mal-estar, pura e simplesmente pus de parte o tratamento com estes medicamentos que, para além de não se terem revelado eficazes no tratamento para o qual estão indicados, ainda causam aos doentes que as eles recorrem para se tratar, efeitos secundários perturbadores. De resto aliás está minha convicção cada vez mais forte, assenta no facto de que ninguém portador duma doença se consegue curar com a toma de medicamentos. E cito dois exemplos. Os hipertensos, continuam a ser o resto da vida, mesmo usando medicação diária e por vezes até têm necessidade de reforço, tal como acontece com os diabéticos, nenhum dos portadores se consegue libertar da doença embora tenha de,  com ela viver o resto da vida. E a lista das doenças que não conseguem ser debeladas pelos medicamentos que a industria farmacêutica produz é extensa e nem sequer vale a pena descrever. Volto pois ao tratamento pela via alternativa, iniciada aliás, desde que há 15 dias me surgiu esta crise ou seja tomar o Harpago Forte que, além de não me produzir efeitos secundários contribui embora muito tenuamente para a redução da intensidade da dor.

19 Responses to “Cada vez mais me capacito que a eficácia dos medicamentos é uma farsa protagonizada pela industria farmacêutica”


  1. 1 Milu Julho 16, 2011 às 11:12 am

    Amigo Raul

    ainda há bem pouco tempo tive a minha primeira experiência negativa com um medicamento. Devido ao esforço intelectual dos últimos tempos decidi pedir ao médico que me receitasse algo que me ajudasse a recuperar do cansaço provocado pelos estudos. Pois bem, foi-me receitado Acutil, que pode ser muito eficaz, não tenho legitimidade para disso duvidar, além de que a sua toma pode ser inofensiva para muitas pessoas. Contudo, julgo que este medicamento, ou lá o que é isto, acabava comigo se não me ocorresse que o aparecimento das dores no estômago, principalmente, coincidiam com o início deste tratamento.
    No primeiro dia em que tomei não senti nada, nos seguintes fui começando a sentir terríveis dores de estômago que irradiavam para tudo o que lhe estava mais próximo, que iam aumentando de intensidade de dia para dia. Comecei a ficar bastante debilitada. Cheguei a pensar que estava a ser vítima de um daqueles cancros que em menos de um fósforo despoletam e enterram uma pessoa. Já me andava a despedir do mundo, pensava para mim, que se lixe, que já vivi muito, etc, etc. E o melhor era que acabasse comigo depressa. No entanto, fui tentando discernir, se haveria algo a provocar-me este estado, por isso fiz uma análise daquilo que andava a comer, a beber e por aí fora. Cheguei à conclusão que a única coisa nova que tinha introduzido nos meus hábitos tinha sido o Acutil. Decidi parar de tomar, para com isso verificar se acontecia alguma alteração. Só posso dizer que no segundo dia sem tomar senti-me como se tivesse acabado de sair do inferno, já não me doía nada e tinha recuperado a alegria de viver. Portanto, alguma coisa me provocou esta reacção, desde então tenho receio de tomar este género de coisas, porque continuo sem saber a que componente sou alérgica. Foram 15, 00 euros para o lixo, queria ver se não atirava com mais. Tens alguma ideia de algo bom para o meu caso? E que seja barato! Que o dinheiro anda muito arredio cá por estes lados 😦

    Por falar em dor ciática, um dia ia a conduzir e deu-me uma coisa numa perna que me pareceu uma cãibra, durou imenso tempo, estava a ver que não passava. Enquanto ia a conduzir ia esticando a perna o melhor que podia, no entanto, havia um facto curioso, é que sempre que calçava aquelas malditas botas de cano alto, que usava nesse dia, davam-me sempre cãibras, principalmente quando ia a conduzir, mas nunca com esta intensidade. O certo é que me ficaram uns resquícios, de vez em quando dói-me a perna, pode até ser apenas num momento do dia, depois está imenso tempo sem dar sinal de vida. Ou seja, fiquei com um relógio. Vou começar a reparar o que me anuncia este incómodo, se é mudança de tempo, ou lá o que for 😀
    Espero que melhores
    Um beijinho da amiga Milu.

    • 2 Maria Março 10, 2017 às 7:44 pm

      Andava eu a navegar a tentar perceber se havia mais alguém com problemas com o Acutil e deparei-me com a sua resposta.
      Também tive uma reação complicada com este medicamento. Não foram dores de estômago mas cólicas intestinais. Dores quase constante que me levaram a ter que ficar em casa para garantir que tinha uma casa de banho próxima e disponível. As cólicas foram parando quando deixei de tomar o Acutil. Passados três a quatro dias já fazia a minha vida normal.
      Dinheiro muito mal empregue.

  2. 3 jodoas Julho 16, 2011 às 12:20 pm

    Olá Milú. Lamento que tenhas tido essa perturbação estomacal causada por um medicamento. Como vês a convicção deste teu amigo relativamente há eficácia dos medicamentos faz todo o sentido. Eles não só fazem mal como não resolvem os problemas para os quais a sua eficácia está indicada. Quanto ao conselho que me pedes julgo que o que pretendes é um fortificante mental, face ao esforço que tens feito. Existem vários produtos naturais um dos quais aconselhado é o Ginseng, entre outros. Quanto ás cãibras, não tenhas dúvidas que isso é te provocado pelo uso de calçado de santo alto. Aliás tenho sobre isso avisado a minha filha para o exagero dos saltos que ela usa. Isso segundo os livros que possuo provoca desvios na coluna que podem resultar em consequências muito graves. Por isso se queres um conselho de amigo evita o uso de sapatos de salto alto ou sobretudo o uso daqueles saltos que quase parecem umas andas. Nenhum médico aconselha o uso e abuso de saltos muito altos que provocam desvios na coluna e consequente sobreposição dos discos e a respectiva agressão muscular. Neste momento e por incrível que pareça embora eu já soubesse que a cebola crua é um poderoso anti-oxidante e anti-inflamação, fiquei libertado da dor intensa que tinha e já me consigo sentar e movimentar sem esse incomodo. Votos dum excelente fim de semana e beijinho deste teu amigo
    Raul

    • 4 Filipa Fevereiro 9, 2012 às 4:51 pm

      eu tomo acutil com alguma regularidade e sofro de síndrome do colon irritável e nunca tive qualquer problema… no entanto, é daquelas coisas que nao é possivel generalizar… os sintomas variam de pessoa para pessoa… exemplo: CENTRUM… francamente já tentei alguns frascos e nao senti diferença absolutamente nenhuma… mas ha quem tome e adore… é daquelas coisas…

      • 5 jtabrantes Janeiro 29, 2017 às 10:35 pm

        CENTRUM – É muito bom………..para os laboratórios e farmácias!!!!!!!

        Vitaminas só se devem tomar se depois de fazer análises, houver carência de alguma. Acho eu, porque as hidrosoluveis se estiverem a mais são excretadas pelo organismo. As liposoluveis são um problema porque se depositam nas gorduras e vão-se acumulando no organismo e até podem provocar intoxicação.

  3. 6 Pedro Santos Janeiro 6, 2012 às 10:23 pm

    Geralmente seria daqueles blogs que me faria andar para a frente sem ler, mas apraz-me fazer um ou dois comentários acerca desta tendência dos portugueses para emitir opinião sem informação.

    A resposta ao seu problema é simples, o Relmus não é anti-inflamatório nem analgésico e não é indicado para ciática (embora tenha algumas – outras – indicações, para dor de natureza muscular, a sua eficácia em isolamento é duvidosa, e usa-se geralmente em associação para reduzir a contractura muscular associada a estas dores). Dos medicamentos que o médico lhe receitou, escolheu tomar o mais dispensável. Quanto à diarreia, o facto de ter continuado após descontinuar o Relmus faz suspeitar de uma causa infecciosa… Nesse contexto, evite o Imodium, prefira uma hidratação abundante e manutenção da dieta. O Imodium pode prolongar algumas diarreias infecciosas (a diarreia é um mecanismo de defesa).

    A medicina “moderna”, não sendo universalmente eficaz, é pelo menos a única que faz um esforço por demonstrar a sua eficácia. Há algumas medicinas alternativas razoavelmente eficientes (nomeadamente alguns ramos da chinesa) e outras 100% falaciosas e sem qualquer eficácia comprovada ou teoricamente conceptível, como a homeopatia. Qualquer um é livre de optar, mas não teríamos todos uma vida muito melhor se tivéssemos visões mais ponderadas e informadas e menos extremistas sobre os assuntos?

    • 7 jtabrantes Janeiro 30, 2017 às 12:34 am

      Sou bastante cético a todas os tipos de medicina. Em relação a medicamentos, tenho uma experiência em casa de que eles não são feitos para curar, mas para cronificar as doenças, nāo porque os laboratórios não saibam fazer medicamentos que curam, mas porque se curassem não davam lucro.
      Os mais lucrativos são sem dúvida, os antidepressivos, que penso que devem ser os mais consumidos. Nāo tratam nenhuma depressão a não ser por efeito psicológico. O que se verifica são os mais variados efeitos secundários e a necessaria habituação, para garantir a continuação do consumo.
      Devem ser os mais lucrativos.
      Medicamentos que curam, são os antibióticos, não vá o doente morrer e não consumir mais medicamentos.
      Medicamentos que fazem algum efeito são os analgésicos, os anti-inflamatórios e pouco mais. Pois qualquer pessoa tem dores ou inflamações com mais ou menos frequência, por isso o seu consumo está sempre garantido, tal como os mais variados anti-gripais.
      Para as outras doenças servem para manter o doente vivo mas dependente para o resto da vida, de um determinado medicamento.
      Quanto à homeopatia já tive a experiência de nada fazer, contudo conheço um caso de um doente com asma, que depois de correr todos os médicos especialistas e tomar as mais variadas drogas sem qualquer resultado, foi curado pela homeopatia.
      O Relmus é um relaxante muscular e pode aliviar alguns tipos de dores, daí as pessoas pensarem que é um analgésico ou um anti-inflamatório. Em conjunto com o Voltaren, que esse sim, é um anti-inflamatório, conseguem-se resultados positivos, por experiência familiar, mas nāo curam, aliviam as dores por uns tempos.
      Penso que a medicina actual poderia ter muito melhores resultados se não fosse dominada pelo poder dos laboratórios.
      Há excelentes cientistas, muitos deles portugueses, que descobrem técnicas e cura para diversas doenças, só que em relação a medicamentos, são os laboratórios que determinam o que eles devem produzir.
      O Relmus pode perfeitamente causar diarreia tal como a Paroxetina causou a um familiar.
      Cada pessoa é diferente de todas as outras e os medicamentos são iguais para todos, por isso podem ter efeitos diferentes em cada uma delas.
      Azar o nosso se tivermos de tomar medicamentos!!!

  4. 8 jodoas Janeiro 26, 2012 às 7:49 pm

    Não se trata de visões extremistas e nem sequer menos informadas. Devo esclarecer caro Pedro Santos que os nossos organismos reagem de forma diferenciada ás drogas farmacológicas. Não é aliás por acaso que a embalagem de cada medicamento trás indicação além da posologia, informação das diversas reacções que o mesmo pode provocar. Não é por acaso até que a maioria das vezes o médico que prescreve determinado tipo de medicamentos para tratar uma enfermidade, os altera porque o doente volta a solicitar outra medicação uma vez sentir um ou vários efeitos da contra-indicação que o próprio laboratório que o produz admite causar. Para terminar, lembrá-lo que a industria farmacêutica traduz um dos maiores negócios mundiais, pela simples razão de que se os medicamentos fossem eficazes curavam as enfermidades dos doentes, mas como isso não acontece eles ficam sempre na dependência do seu uso. Relativamente a alguns produtos naturais posso esclarecê-lo que já consegui resultados que nunca antes o tinha conseguido com produtos farmacêuticos.

  5. 9 Cristina Pita Janeiro 23, 2013 às 7:00 pm

    Sinceramente, fico espantada com tanta ignorância e tanta convicção em certas afirmações que aqui se fazem..! Isto é como tudo na vida: não se deve falar daquilo que não se sabe. Tenho para mim que essa é a maneira mais fácil de se evitar dizer disparates. Os medicamentos podem ter efeitos de prevenção de problemas, de tratamento de doenças ou de simples manutenção do estado funcional do organismo. É por isto que um diabético ou um hipertenso têm de tomar medicação continuadamente, para fazer essa manutenção. E é por isto que um paracetamol tanto pode só aliviar como curar em meia hora uma dor de cabeça. Tudo isto para dizer que os medicamentos não são Deus, não resolvem todos os problemas de todos os organismos, mas é verdade que permitem que hoje em dia não se morra de um simples corte num pé, de malária, de hepatite, de HIV, etc. Acho um insulto à inteligência de todos que se afirme aqui que os medicamentos são só uma farsa da indústria farmacêutica – isso faria de todos nós, consumidores, uns tolos! Aconselho ainda a que não se habituem a tornar-se wikipedio-dependentes no que toca à saúde e a confiar nos excelentes profissionais que temos em Portugal, isso leva muitas vezes a um atraso no tratamento efectivo dos problemas de saúde e aí até os medicamentos podem já não vos salvar.
    PS – Obrigada Pedro Santos pela explicação farmacológica, para os portugueses tudo o que trate a dor é anti-inflamatório! lol

  6. 11 jodoas Janeiro 23, 2013 às 9:21 pm

    Obrigado pelo seu comentário Cristina Pita mas a sua opinião vale o vale. Isto só para lhe lembrar que ainda hoje foi anunciado a retirada do mercado de dois produtos farmacêuticos (vulgo) medicamentos para tratamento do colesterol. E sabe porquê. Porque foi reconhecida a sua ineficiência no tratamento do colesterol. Ou seja a todos quantos foram prescritos estes dois medicamentos para tratamento do seu colesterol andaram a ser pois, enganados. Se isto não não uma fraude não sei o que mais será preciso para o demonstrar.

  7. 12 José Oliveira Fevereiro 14, 2013 às 10:57 pm

    O bom da medicina é que, idealmente sempre e bastantes vezes na prática, se se vê que um medicamento não funciona tira-se do mercado… Espero que se regulamente as outras alternativas para se poder aplicar os mesmos princípios que levaram à retirada do Tredaptive e do Trevaclyn. Cumprimentos cordiais

  8. 13 benjamimcarvalho Março 13, 2013 às 6:08 pm

    lamento tanta ignorancia!

  9. 15 Maria Margarida Pereira Ferreira da Silva Março 22, 2013 às 1:29 pm

    Eu estou a tomar o acutil ,por enquanto não me sinto pior ,o meu problema é esquecimento Mas tenho a dizer que não sinto efeitos secundários felismente , nem a qualquer medicamento, a não ser umas tais capsulas que me receitaram para a ciatica que me provocaram uma diarreia que me deitou a baixo,mas deixei de os tomar . Fui quatro vezes ao hospital e tinha uma peque fractura na anca femur ,aí sim o que me receitaram fes-me bem.não me posso queixar nem do sentrum nem do acutil nem do be-nu-rou.

  10. 16 jodoas Outubro 15, 2013 às 8:30 pm

    Eu também Benjamim Carvalho, sobretudo daqueles que julgam pelo facto dum laboratório que durante algum tempo testou uma droga para ajudar a minorar os efeitos duma maleita e que tenha tido alguns resultados satisfatórios com os pacientes que o utilizaram tenham depois em relação a outros doentes com idêntico problema resultados absolutamente adversos. A ignorância aqui resulta da convicção duma eficiência que é no fundo aparante.

  11. 17 Maria Novembro 20, 2013 às 5:00 pm

    Estou a tomar acutil e acho que está a fazer maravilhas ao meu sono.Nada de efeitos colaterais, Quando há reações tão adversas algo está muito mal no organismo.Cuidado!

    • 18 Milu Novembro 20, 2013 às 7:25 pm

      Maria, o Acutil foi-me receitado pelo médico quando lhe pedi algo para a memória, Nessa altura andava a estudar, também dormia pouco porque era estudante trabalhadora, e continuei a sê-lo durante os 2 anos seguintes. O meu mal era um cansaço extremo, físico e psicológico, nesse tempo exigi muito de mim. Isso teve um preço. Quando informei o médico sobre os efeitos secundários, que presumi terem sido causados pelo Acutil, ele respondeu-me logo que não os tomasse mais, também me disse que o que me aconteceu, poderia ter sido uma reação alérgica a um dos componentes do medicamento.


  1. 1 two Piece Silk outfit Trackback em Julho 7, 2017 às 5:57 pm

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




Arquivos

Central Blogs

congeminações

Central Blogs

Categorias

congeminações

  • 695,847 hits

Comentários Recentes

LouannEmoro em A doença do foro oncológico é…

4shared

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
Listed on BlogShares
Powered by BannerFans.com
Twingly BlogRank

twitter

congeminacoes

Follow me on Twitter


%d bloggers like this: