O meu grande aplauso à Fernanda Câncio pelo seu artigo de opinião publicado no DN

Shakespeare, lembrava ontem Rui Pereira no Correio da Manhã, pôs a verdade na boca de um bobo. Podia também ter escrito que não há fúria na terra como a dos jornalistas gozados.

Sim, o sentido de humor faz muita falta. Se o usássemos mais veríamos como esta parábola do Artur nos faz o retrato, na sua genial redução ao absurdo. Com o seu “nós lá na ONU” e o seu discurso ouvido com reverência e sem contraditório, Artur faz alguma diferença de António (Borges) e o seu ‘nós lá na Goldman Sachs” ou “nós lá no FMI”, o “nós lá na troika” de Abebe (Selassie), ou o “nós lá no BCE” de Vítor (Gaspar)? Num caso é falso e nos outros é verdade, direis. Mas é o lugar de onde se fala que conta, ou o sentido que faz o que se diz, sua verdade e efeito?

Que o que o Artur dizia são disparates, ouvimos agora. Admitamos que sim; que é “o que as pessoas querem ouvir”, como ontem o diretor do Diário Económico, António Costa, afirmava no Twitter. Mas há dois anos, quando os media clamavam pelo pedido de resgate para a seguir cantarem loas às “soluções” e ditados da troika, e logo depois, durante a campanha eleitoral, repetirem, sem a questionar, a conversa das “gorduras do Estado”, era de quê, factos indesmentíveis, que ninguém queria ouvir, que se tratava? Onde estavam os jornalistas económicos quando PSD e CDS juravam que, uma vez no poder, bastaria “cortar no supérfluo” e nada de aumentar impostos, nada de fechar centros de saúde, escolas, racionalizar o Estado, tudo isso que o Governo anterior fazia, claro, por pura maldade? E onde estão agora, que até o Pedro admite ser a generalidade da despesa do Estado com prestações e serviços sociais, os reconhecimentos de terem sido levados ao engano, os mea culpa por não terem feito “o trabalho de casa”? Onde estão as acusações de burla e os apodos de burlão a quem vendeu a história falsa?

Difícil encontrar hoje um analista ou jornalista que não faça pouco das previsões do Vitor, não é? Mas quem não se recorda de ter sido apresentado como “um técnico brilhante e apolítico”, “uma infalível máquina de contas”, e a sua austeridade como “o único caminho”? E já não se lembram de como o Pedro era “um homem sério”, “sensato”, “bem falante” (!), que “não enganava ninguém”, e o Álvaro um brilhante académico que trazia do Canadá a saída para todos os problemas?

Artur mentiu, arranjou uns cartões falsos, pretendeu ser autor de um estudo que não é dele e pertencer a uma organização prestigiada que, de resto, nada faz – para não variar da sua atitude geral – para se defender de tal reivindicação. E assim fez discursos, deu entrevistas e chegou à TV. Foi uma bela partida; se fosse a ele fazia disto tese académica ou reportagem, com o título “Como enganei os media portugueses, como são fáceis de enganar, e como enganam quem os consome”. Às tantas ganha o Pulitzer. Merece. Até porque, ao contrário dos outros burlões, e tantos são, não nos fez mal algum.

1 Response to “O meu grande aplauso à Fernanda Câncio pelo seu artigo de opinião publicado no DN”


  1. 1 maceta Dezembro 30, 2012 às 6:35 pm

    este artista devia ser ministro deste governo…

    abraço


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




Arquivos

Central Blogs

congeminações

Central Blogs

Categorias

congeminações

  • 693,486 hits

4shared

Top Clicks

  • Nenhum
Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
Listed on BlogShares
Powered by BannerFans.com
Twingly BlogRank

twitter

congeminacoes

Follow me on Twitter


%d bloggers like this: