A minha ovação a André Macedo por este artigo de opinião publicado no DN

No último Conselho de Ministros aconteceu isto. Vítor Gaspar disse que a lei que fixa as indemnizações laborais deve ser revista já, imediatamente e a correr (reduzida de 20 para 12 dias por cada ano de trabalho), porque foi isso que o País acordou com a troika. Ele, que é ministro das Finanças, fez o que já se espera dele: está cá como fiscal e, portanto, fiscaliza, zela, obriga, dobra, insiste, força, cumpre, não pensa, executa. Cegamente.

A seguir veio Álvaro Santos Pereira, ministro da Economia, isto é, o ministro responsável pelas coisas que crescem ou talvez um dia possam crescer. Disse o Álvaro: a lei tem de ser mudada, sim, mas aprovemos um regime transitório: baixamos para 18 dias agora e, daqui a cinco anos, chegamos aos tais 12 dias, até porque os efeitos económicos imediatos são poucos. Razoável este ministro. Afinal, a lei das indemnizações é recente, foi negociada a custo com a UGT.

Portanto, as contas eram estas: havia uma lei que tornava demasiado caros os despedimentos, o que favorecia os mais velhos com emprego e deixava de fora os mais novos e recentes a chegar ao mercado de trabalho. Mudou-se então a lei para dar oxigénio a uma estrutura ossificada que não incentivava o mérito e, paradoxalmente, estimulara o aparecimento de recibos verdes por todo a lado. Era uma má lei não apenas por comparação a outros países da União Europeia, mas porque os resultados eram desastrosos: quem estava no quadro tinha muito (apesar do recurso crescente aos despedimentos coletivos), quem estava fora não tinha nada. Era aqui que estávamos até ao acordo com a UGT que, aliás, implicou outras alterações.

Volto agora ao tal Conselho de Ministros. Gaspar está impossível, irredutível, não deixa ninguém falar. Exige o cumprimento incondicional do acordo com a troika. “Temos de mudar a lei e já! Não há alternativa! Qual é a parte que não percebeu, sr. ministro Álvaro?!” Estou a inventar este diálogo. Gaspar não disse nada disto; ou se disse eu não sei. O que sei, e os factos ontem confirmaram, é que Passos, depois de ouvir os ministros das Finanças e da Economia, optou por ser árbitro, embora daqueles que viciam o jogo. Não decidiu o que fazer, como lhe competia: inscreveu no diploma os 12 dias que Gaspar exigia e chutou a proposta de lei para o Parlamento. No entanto, não há disfarce possível. Se os deputados do PSD e do CDS aprovarem esta mudança, estarão a violar o acordo do Governo com a UGT e a matar o diálogo com o único sindicato que ainda aceita negociar. A ser assim, será a radicalização do debate em troca de nada. O ministro das Finanças foi longe demais. Não é ministro, é uma ravina política, é um abismo fiscal.

1 Response to “A minha ovação a André Macedo por este artigo de opinião publicado no DN”


  1. 1 maceta Janeiro 4, 2013 às 8:41 pm

    este homem deve ter um desequilíbrio mental…

    abraço


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




Arquivos

Central Blogs

congeminações

Central Blogs

Categorias

congeminações

  • 695,847 hits

Comentários Recentes

LouannEmoro em A doença do foro oncológico é…

4shared

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
Listed on BlogShares
Powered by BannerFans.com
Twingly BlogRank

twitter

congeminacoes

Follow me on Twitter


%d bloggers like this: