Por estar inteiramente de acordo com este artigo de opinião aqui vai a transcrição

 

gd-7048

Benfica: muito mais do que uma Nação, é um “Império”!

João Lemos Esteves
6:16 Segunda feira, 21 de abril de 2014

Finalmente aconteceu o que milhares de portugueses, eu incluído, esperavam: o Benfica tornou-se campeão nacional de Futebol. De facto, o Sport Lisboa é um fenómeno singular em Portugal: nenhum outro clube, nenhuma outra organização, nenhum outro ideal ou convicção estratégica ou político-ideológica conseguiria mobilizar tanta e tanta gente que se reuniu aqui em Lisboa (no Marquês de Pombal) – como também em todas as cidades, em todas as localidades da nossa querida Pátria. Mais: o Benfica é um factor de agregação do mundo lusófono – as comemorações estendem-se a todos os países de expressão portuguesa, vivendo e sobrevivendo muito para além de possíveis traumas históricos. É nisto que, afinal de contas, se traduz a mística benfiquista: enquanto o Porto e o Sporting são realidades meramente desportivas (embora muito meritórias e competitivas), o Sport Lisboa e Benfica é uma realidade – para além de desportiva – institucional e cultural. Não sei se há dados científicos que comprovem sem margens para dúvidas que sempre que o Benfica conquista o título de campeão, aeconomia nacional cresce: a verdade, porém, mostra à exaustão que quando o Benfica ganha, Portugal se torna um país mais feliz, mais dinâmico, com mais energia. Faz bem a Portugal o Benfica ser campeão.
Dito isto, passemos a responder à questão que tem sido colocada amiúde nos vários (demasiados!) programas de comentário desportivo: quem é o principal responsável pelo sucesso do Benfica? Emprimeiro lugar, é, obviamente, dos jogadores, que defenderam, marcaram golos, suaram, mostraram a sua garra…enfim, trabalharam muito para que o Benfica fizesse esta caminhada sólida e segura rumo à vitória no campeonato nacional. Todavia, há que elogiar o trabalho, mas sobretudo, a determinação do Presidente Luís Filipe Vieira. Às vezes, decidir e liderar é saber ser solitário. E para ser solitário é preciso uma grande resistência psicológica: apontar um caminho e puxar todos os “dissidentes” para que comecem a remar para o mesmo lado. Ora, foi Luís Filipe Vieira que tomou a decisão de manter a aposta em Jorge Jesus, concedendo-lhe todas as condições para que realizasse um excelente trabalho (nomeadamente, quanto à manutenção dos principais “activos” do plantel). Num país em que escasseiam exemplos de liderança, Luís Filipe Vieira soube ser um. Este é um campeonato que tem indelevelmente a sua marca. E, last but not the least, parabéns a Jorge Jesus. Eu que teci alguns comentários negativos no ano passado, reconheço que estava errado: afinal, Jorge Jesus soube muito bem dar a volta à situação depressiva e de “inconseguimento da situação frustacional derivada das derrotas nas finais”! Conseguiu voltar a conquistar o plantel – e venceu! 16 valores com possibilidade de chegar ao 20, se conseguir as vitórias na final de Taça de Portugal, chegar à final da Liga Europa (eliminar a Juve teria – terá! – um encanto especial) e (já agora!) a Taça da Liga.
Por último: será que esta vitória significa o fim de um ciclo dominado pelo FC Porto e, inversamente, o início de um novo ciclo (domínio do futebol português doravante pelo Benfica)? Bom, antes de mais, refira-se que alguns comentadores insistem em cair sempre no mesmo erro: quando o Benfica ganha é sempre porque não teve adversário à altura – nunca é mérito do Benfica. Quando os outros, nomeadamente o FC Porto ganha (ganhou) nos anos anteriores, é sempre mérito da magnífica organização e da força do seu plantel – ou seja, por mérito próprio e não demérito do Benfica. A verdade é que estes comentadores não querem abordar o verdadeiro problema: a falência do modelo de gestão do FC Porto. É que o Porto vive de um mito chamado Jorge Nuno Pinto da Costa. O problema dos mitos é que achamos que eles são imortais: os portistas acharam que Pinto da Costa estaria em todo o seu vigor eternamente. Mas não é possível: Pinto da Costa já é passado – mas porque o Porto não quer abdicar de Pinto da Costa, não quer discutir o futuro. E não discutir o futuro para não incomodar a pessoa que personifica o passado – é ficar, inevitavelmente, preso ao passado. Cheira-me que o FC Porto para ressurgir terá que passar por uma “noite das facas longas” (face a metáfora/hipérbole) na sua administração…No fundo, o drama de Pinto da Costa é, salvo as devidas diferenças, o mesmo de Alberto João Jardim na Madeira.
Conclusão: o que verdadeiramente importa é…Viva o Benfica! Hoje é dia de Alegria em Portugal!

 

0 Responses to “Por estar inteiramente de acordo com este artigo de opinião aqui vai a transcrição”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




Arquivos

Central Blogs

congeminações

Central Blogs

Categorias

congeminações

  • 693,439 hits

4shared

Top Clicks

  • Nenhum
Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
Listed on BlogShares
Powered by BannerFans.com
Twingly BlogRank

twitter

congeminacoes

Follow me on Twitter


%d bloggers like this: