Arquivo de Abril, 2015

A mim não me pareceu tão estranha esta estupidez, apesar de ser essa a opinião do articulista do Público

Estranha estupidez

Quarenta e um anos depois de Abril, o velho paternalismo salazarento é uma nódoa que não desgruda.

  • Todos nós fazemos coisas estúpidas, mas há coisas que são tão estúpidas que nem sequer deveríamos lembrar-nos de as fazer. São coisas — por exemplo, o projecto de lei de PSD, PS e CDS para obrigar os media a apresentar planos de cobertura de campanhas eleitorais a uma comissão de exame prévio — que deveriam estar para além do próprio território da idiotice. É isso que nos choca tanto num caso como este. Não é a asneira em si, mas o enquadramento mental que a possibilita. A pergunta certa a fazer não é: como é possível que deputados da nação tenham proposto uma coisa daquelas? Mas sim: como é possível que deputados da nação se tenham lembrado de propor uma coisa daquelas?

O Parlamento pode propor uma má lei eleitoral; mas não se lembraria de propor uma lei que impedisse as mulheres de votar. O Parlamento pode propor uma má lei da imigração; mas não se lembraria de propor uma lei que impedisse etíopes, somalis e bosquímanos de entrar no país. Ou seja, numa sociedade decente, há limites para o dissenso. Hoje em dia, não se discute a escravatura, nem o direito à igualdade das mulheres, nem o direito à existência dos judeus ou à liberdade religiosa, na medida em que existe um património de princípios partilhado por 99,99% da população. Por muitos conflitos políticos que aconteçam no Parlamento, os valores mais importantes (vamos ser optimistas) são comungados por todos: a adesão à democracia, a protecção dos mais fracos, o combate à discriminação, o respeito pela liberdade de expressão.

Por isso, ao sermos confrontados com um projecto de lei tão profundamente atentatório da liberdade de imprensa como aquele que terá sido assinado por Inês de Medeiros (PS), Carlos Abreu Amorim (PSD) e Telmo Correia (CDS), é difícil conter o espanto e a indignação. É que não é só a absoluta ignorância que este triste trio demonstra em relação ao trabalho da comunicação social— é o tal enquadramento mental que os leva a acreditar que uma lei como esta poderia ser aceitável no Portugal de 2015, apenas com o argumento de que há uma lei em vigor (à qual ninguém ligava desde o final dos anos 70) que era muito pior.

E assim voltamos à vaca fria. Quando eu ando por estas páginas a chorar a falta de cultura liberal do país, e de como essa pecha é transversal à esquerda e à direita, é precisamente isto que eu quero dizer: só uma cultura profundamente estatista e dirigista, que faz parte do ADN do regime e de todo o seu espectro político, do PCP ao CDS, seria capaz de criar o ambiente mental onde tão estapafúrdia ideia pudesse germinar em documento. Todos os nossos insignes representantes estão absolutamente convencidos de que são indispensáveis à salvação da pátria, e de que só mesmo a sua bondosa e denodada acção permite corrigir os males em que o pobre Portugal, eternamente débil e infantil, insiste em mergulhar. Quarenta e um anos depois de Abril, o velho paternalismo salazarento é uma nódoa que não desgruda.

Pior: é uma nódoa que os próprios meios de comunicação não combatem com o músculo necessário. É certo que o coro de indignação foi unânime e que a ameaça de não dar notícias sobre as eleições resultou. Mas essa é a ameaça errada. O que os media deveriam ter feito era anunciar a sua desobediência conjunta e lutar por ela nos tribunais europeus, se preciso fosse. A primeira obrigação de um jornal é informar os leitores, e não obedecer a leis iníquas. Para alguma coisa o direito de resistência está inscrito na Constituição

Ora aqui temos uma sessão de yoga em tempo de crise

Yoga-Girls-Abbywinters

Julgo que este aviso é de extrema importância porque podemos estar a ser enganados face ás siglas serem iguais apenas diferenciadas pelo espaço existente entre as duas

SABIAM DESTA ? FICAM A SABER. OLHO ABERTO !

 

“CE” ou “C E”

Para que não sejam enganados. Vejam as diferenças entre as siglas.

 

 

 

Marcação “CE” ou “C E” nas embalagens de produtos
 

Existem 2 tipos de siglas “CE” diferentes nas embalagens e produtos especialmente comercializados na Europa;
A marcação imposta pela Comunidade Europeia: “C E” – que significa a sua conformidade com a legislação comunitária;

E existe a Chinesa “CE” que significa China Export (Exportação Chinesa);

Esta criação chinesa foi um estratagema para enganar os consumidores europeus e poupar custos extra de certificação e ensaio dos produtos feitos na china.

Aparentemente parecem o mesmo símbolo, mas nota-se de facto uma alteração no espaçamento entre as duas letras do “CE”.

O símbolo europeu tem um maior espaçamento entre o ‘C’ e o ‘E’ (“C E”).

olho alerta! 
 

 

Pelos vistos o governo japonês aposta forte na opção dos automóveis de propulsão a célula de combustível, vulgo hidrogénio

– See more at: http://newsonjapan.com/html/newsdesk/article/112147.php#sthash.OC7J8ZW7.dpuf

Continua a ser sempre oportuna esta mensagem “quem te avisa teu amigo é” morangos espanhóis. não obrigado.

Espanhóis, NÃO???

 

Será verdade???????

Ainda se recordam, na década de 70 do séc. passado, de um acidente numa fábrica na Índia, em Bopal, onde morreram milhares de pessoas por um mau manuseamento na produção do brometo de metilo para a American Cianamyd?

Ele aí está apesar de proibido.

Quando comprarem morangos, verifiquem sempre a origem. Se forem espanhóis…cuida-te das consequências na tua saúde e dos teus. Será que os morangos espanhóis cultivados em estufas são comestíveis?

A resposta é *”NÃO”!*

Se o único problema destes morangos produzidos em estufas fosse a falta de sabor, ainda nos poderíamos dar por felizes. Infelizmente, estes morangos apresentam outros problemas bem mais graves, a começar pelo facto de o seu cultivo cobrir cerca de seis mil hectares, dos quais uma grande parte alastra já ilegalmente pelo parque nacional de Doñana, uma extraordinária reserva de
aves migradoras e nidificadoras da Europa – embora o poder regional a isso feche os olhos.

Para que estes morangos cheguem aos mercados europeus, devem ser transportados por camião e percorrer milhares de quilómetros. Cerca de 16.000 camiões fazem os percursos por ano. A uma média de dez toneladas por veículo, esses morangos valem o seu peso em CO2 e gases nocivos ao ambiente e ao homem. Mas os perigos desta agricultura não são só estes.

Sabe o leitor como é que estes morangos espanhóis são cultivados?

O morangueiro é uma planta vivaz que produz durante vários anos. Contudo, os morangueiros destinados a esta produção em estufa fora da época são destruídos todos os anos. Para dar morangos fora de época, as plantas produzidas in vitro são colocadas em frigoríficos no pino do Verão, a fim de simular o Inverno, o que activa a produção. No Outono, a terra arenosa é limpa
e esterilizada, e a microfauna destruída por meio de bromometano (brometo de metilo) e de cloropicrina. O bromometano é um poderoso veneno proibido pelo protocolo de Montreal sobre os gases nocivos à camada de ozono. A cloropicrina, composta de cloro e de amoníaco, não é menos perigosa, pois bloqueia os alvéolos pulmonares. Os morangueiros são cultivados em terreno
coberto por plástico preto e a irrigação inclui fertilizantes, pesticidas e fungicidas. Quanto à água de irrigação, provém de furos artesianos – dos quais mais de metade já foram instalados de modo ilegal.
Tudo isto está a transformar esta parte da Andaluzia numa savana seca, provocando assim o êxodo das aves migradoras ( devido ao cheiro tóxico ) e a extinção dos últimos linces pardel, pois estes pequenos carnívoros (dos quais somente uma trintena deve subsistir ainda na região) alimentam-se de coelhos, animais também em vias de desaparecer. Por outro lado, para arranjar lugar
para os morangueiros, já foram arrasados pelo menos 2.000 hectares de floresta.
A produção e a exportação destes morangos produzidos em Espanha começa um pouco antes do fim do Inverno e termina nos princípios do mês de Junho.
Os trabalhadores devem nessa altura voltar às suas casas ou exilar-se algures em Espanha. Se contraíram doenças por causa dos produtos nocivos que respiraram, têm o direito de se tratar… à sua própria custa. A maior parte dos produtores destes morangos espanhóis utiliza mão-de-obra marroquina, trabalhadores sazonais ou clandestinos, mal pagos e alojados em condições precárias. Para se aquecerem à noite durante o Inverno, este trabalhadores queimam os resíduos dos plásticos que cobrem os morangueiros!!! De qualquer modo, todos os anos no fim da época desta cultura, as cinco mil toneladas de plásticos utilizados serão levadas pelo vento,enterradas de qualquer maneira e em qualquer sítio, ou queimadas no local…
Não será necessário dizer que nesta região da Andaluzia, onde prospera esta aberrante agricultura, as doenças pulmonares e de pele estão em franca progressão*. Quem se preocupa com isso? Ninguém!*
Por que razão os meios de comunicação não falam sobre o assunto? Mistérios do que não é política e economicamente correcto… Quando a região tiver sido completamente vandalizada e a produção se tiver tornado demasiado onerosa, os produtores transferirão tudo para Marrocos, país onde aliás já começaram a instalar-se. Mais tarde, irão provavelmente para a China… A população europeia ainda em vida encontrar-se-á doente ou no desemprego… mas feliz por comprar produtos baratos…
Que podemos fazer para combater esta tendência?
Cada um de nós é livre de agir em consciência e com conhecimento de causa:
comprar ou boicotar a compra de qualquer artigo que não seja produzido em conformidade com as leis da natureza e/ou dos direitos humanos. Todos podemos escolher fazer um boicote pessoal. E se a maioria dos cidadãos assim procedesse, os grandes “tubarões” da economia seriam obrigados a mudar os seus métodos, sob pena de também eles porem em perigo a sua própria existência.
*A escolha está nas mãos de cada cidadão!*

 

 

 

Faz todo o sentido denunciar esta pouca vergonha

MAIS UMA NEGOCIATA ESCANDALOSA!… (VCl)

TDT – A vergonha nacional … sabiam disso?

Já é do conhecimento geral … segundo creio!!!

“TDT é um imposto disfarçado para ver televisão”.
Ontem, num debate proposto pelo PCP sobre a TDT (Televisão Digital Terrestre) ficou provado, mais uma vez, que podíamos ter muitos mais canais gratuitos e não uns míseros 4 canais.

Esta operação foi um tremendo negócio para a PT.

Curiosidade: Alemanha tem 20 canais gratuitos; França tem 29 canais gratuitos; Espanha tem 20 canais gratuitos; Itália 27 tem canais gratuitos; Reino Unido tem 38 canais gratuitos.
O Governo podia ter incluído mais canais, mas não o fez para manter o negócio de alguns «tubarões»…
ESTAMOS A SER ROUBADOS. PARTILHEM!
Descrição: Descrição: http://farm8.staticflickr.com/7024/6647938731_08c2801017_z.jpg

Sabiam também que os aparelhos

foram distribuídos gratuitamente nos

outros países???

Aqui vai a razão pela qual os países do norte da Europa estão a ficar cansados de subsidiar os países do Sul.

Governo Português

3 governos no continente e ilhas

333 deputados no continente e ilhas

308 câmaras

4259 freguesias

1770 vereadores

30000 carros

40000(?) fundações e associações

500 assessores em Belém

1284 serviços e institutos publicosPara a Assembleia da República Portuguesa ter um número de deputados equivalentes à Alemanha, teria de reduzir mais de 50%

O POVO PORTUGUÊS NÃO TEM CAPACIDADE PARA CRIAR RIQUEZA SUFICIENTE, PARA ALIMENTAR ESTA CORJA!

Faz o que te compete: divulga

A realidade que os apoiantes da direita ignoram, mas que deveriam ter em linha de conta, relativamente a melhoria da condição de vida da maioria da população.

Muita gente que apoia os partidos da direita, não tem tido em linha de conta que a revolução dos cravos resultou das pressões internacionais face ao facto de Portugal ser o país que ainda mantinha o regime de colonização, mas foi sobretudo motivado por um movimento de oficiais das forças armadas tendencialmente de esquerda. Os partidos da direita que emergiram após o 25 de Abril não contribuíram minimamente para que o regime ditatorial sucumbisse até porque muitos dos seus líderes estavam absolutamente acomodados nesse regime. Portugal até 24 de Abril de 1974 era um país onde o atraso era bem evidente, quer do ponto de vista da sua rede viária pois só existia a auto-estrada de ligação Lisboa-Porto e o troço Lisboa-Estádio Nacional. Para se percorrem 200 quilómetros chegava-se a demorar uma tarde ou uma manhã apesar do movimento rodoviário comparativamente aquele que gora existe nem sequer representar 1/3 daquele que agora existe. Ou seja, até ao 25 de Abril muito pouca gente se poderia permitir a ser detentora dum automóvel, mesmo que comprado em segunda ou terceira mão. Casa própria era algo que muito pouca gente na altura possuía e o mercado de arrendamento era apenas e só o garante da habitabilidade da maioria das pessoas, algo que presentemente não acontece porque hoje a maior parte dos residentes quer nas grandes urbes quer até nas zonas interiores são proprietários das suas habitações, uns ainda a cumprir com a amortização do empréstimo a que recorreram para o efeito outros que entretanto já solveram esse compromisso. Ou seja. A qualidade dos portugueses duma maneira geral melhorou substancialmente por força da revolução de Abril e da implantação da democracia. E esta liberdade que foi durante 48 anos de ditadura impedida de exercer por todo um povo, foi obtida como anteriormente referi através do movimento de oficiais das forças armadas de tendência esquerdista, sem o qual, se o regime se mantivesse o desenvolvimento do país jamais seria este. Estranhamente a maioria dos portugueses ignoram esta realidade e continuam a apostar em partidos da direita para governarem o país, como se porventura reconhecessem nos referidos partidos existirem as condições para continuarem a desenvolver o país e a contribuírem para a melhoria das condições de vida da população. Lamentável esta realidade que, como se vê, está bem patente quer no aumento substancial de pobres, quer no caso daqueles que já o eram passarem à consideração de miseráveis. Tudo isto apesar dos últimos acontecimentos em que banqueiros ligados aos partidos da direita, faliram em proveito próprio os bancos que criaram e cujo resultado dessa falência, está a ser suportado pelos contribuintes que em nada são responsáveis por tal acontecimento.


Arquivos

Central Blogs

congeminações

Central Blogs

Categorias

congeminações

  • 692,195 hits

4shared

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
Listed on BlogShares
Powered by BannerFans.com
Twingly BlogRank

twitter

congeminacoes

  • RT @fernando_cabral Blogger da Geórgia explica ataque ao twitter http://bit.ly/Oybo5: Fica assim provado que os russos são uns tipos porreir 7 years ago
  • não a favoreceu. Bem longe disso. 7 years ago
  • Isto por aqui está desinteressante, ninguém aborda ninguém, por falta de tema desafiante, adeus e passem muito bem 7 years ago
  • Será que a ideia de rasgar, vai contemplar o plano tecnológico, para que Portugal possa ficar, mais atrasado no resultado lógico 7 years ago
  • a compra de de tamiflu que nem sequer está aconselhado para combater esta estirpe 7 years ago

Follow me on Twitter